De mais verões

Imagem

Noites mornas, de um vento broxa

Meu gozo explode em sua boca

Que sabe a rocha

Há quanto tempo nós dois rimamos

Sexo sem nexo complexo novelo

Não vela o chão, não vale o pão

Minha rosa murcha no jardim

Você sobre mim desaguando um mundo

Desigual, cheio de fome, lixo e miséria

Quanto tempo custa a passar assim

Até que você me venha sem mim?

Até que, sem filhos, herdeiros, substância

Eu ponha a mão nas suas loas, única possível herança?

Tudo em que creio, o que você creditou em conta

Foram reminiscências, fugazes lembranças,

Pensões, vagas, meretrizes

Foram umas indecências, vorazes crianças

Paixões, magras, atrizes

Serão elas, espero sem certeza, a engolir Cronos

A tirá-lo do trono e vomitar

De mim, sem surpresa, o uivo,

a fera presa; meus incontáveis ais.

Anúncios

Sobre lifega

Ande um pouco comigo, antes de me perguntar quem sou.
Esse post foi publicado em POESIA e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s