Óbvia declaração de amor

Minha Paulicéia desvairada, de vento em popa; cabelo nas ventas, moços e velhas loucas, todas as canções que inventas.

Minha São Paulo linda, feitiço no avesso, paulistas avenidas; o anonimato é o preço que pago, fazendo gosto.

Cidade onde nasci e vivo, onde o céu é tão azul quanto alhures; coisas hostis e grandiosas, pequenos gestos de calor humano à sombra e revelia dos mais altos edifícios, das mais fúteis prosas.

Tão fácil que é de te amar; inútil tentar te esquecer.

Projetos de um ar mais puro, contraste de um novo futuro; quem sabe, na próxima esquina, um livro, um filme, um doce; imagem de um outro tempo, quem sabe talvez menos duro.

Te amo e te quero minha, cidade da minha vizinha; cidade onde cabe meu sonho, meu cão, meu abandono; meu inimigo, minha rival.

Anúncios

Sobre lifega

Ande um pouco comigo, antes de me perguntar quem sou.
Esse post foi publicado em Sampa, São Paulo. Bookmark o link permanente.

Uma resposta para Óbvia declaração de amor

  1. Roseli Silva disse:

    Adorei… compartilhando! Beijo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s