Amy

Sem tempo para escrever de lavra própria, não posso deixar de registrar o quanto é estranho receber a notícia que todos mais ou menos imaginávamos que receberíamos, mais dia, menos dia.

Tenho idade pra isso mas, se fosse mãe de Wino, jamais daria sua morte como certa. Jamais a ouviria me dizer que me ama e a deixaria ir, sabendo-a se destruindo. Ou acho que. A gente não sabe o que foi aquilo – aquela mãe e aquela filha; aquelas duas mulheres. Ainda bem que não era a mãe dela. Assim posso ser sua fã, para sempre.

E, como não tou mesmo com muito tempo disponível, vai aí o link para um post que achei bem legal. Podia ser outro? Podia. Mas todos tínhamos, temos e teremos a dizer sobre Amy Winehouse que, definitivamente, não entrou pro clube dos 27 e pronto. Entrou foi prá história da música contemporânea, porque a moça era tão fera, tão fera, que não dava pra caber todo aquele talento em um corpo tão franzino. Deu no que deu.

Como escreveu uma amiga: paz, Amy! Que cuidemos de sua memória. Porque sua voz maravilhosa, agora, pertence só aos nossos ouvidos. E, sem dúvida, se eternizará. Sorte dos que ficam… e dos que virão.

Anúncios

Sobre lifega

Ande um pouco comigo, antes de me perguntar quem sou.
Esse post foi publicado em Cultura, Música e marcado . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s